Sindicato participa de evento internacional sobre proteção dos direitos dos trabalhadores na indústr


Lima – Nos dias 12 e 13 de junho, a presidenta do Sindicato, Paula Proença, participou, ao lado de Cida Trajano, que preside a Confederação Nacional dos Trabalhadores/as do Ramo Vestuário da CUT, da “Reunião Regional do Macrossetor da Indústria Rápida da IndustriALL Global Union América Latina e Caribe”. A atividade reuniu representantes de 11 países, incluindo o Brasil. “Dialogamos sobre o sistema global de produção nos setores compreendidos como indústria rápida e definimos uma estratégia unificada para defender os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. No Brasil, vivemos um momento de desmonte dos direitos e de aumento da precarização nas relações de trabalho e nosso grande desafio é ampliar a representação sindical e garantir direitos frente à reforma trabalhista de 2017”, conta Cida Trajano.

O termo “indústria rápida”, do espanhol “indústria ligera”, se refere ao processo secundário da indústria, ou seja, quando o produto sai da fábrica direto para o consumo prioritário de todos os habitantes do planeta. Se refere a produtos como roupas, calçados, eletrônica, tecnologia, informação e comunicação.

Indústria 4.0

Paula Proença relata que debates entre Brasil, Argentina e Uruguay, geraram um senso comum de que a Indústria 4.0 (considerada por especialistas como uma nova revolução industrial), ainda é uma realidade distante, pelo menos nesses países. “É preciso implementar um debate tripartite entre trabalhadores, empresários e governos, para que tenhamos condições de nos preparar para as novas tecnologias que já estão sendo implementadas nos países mais desenvolvidos. O processo produtivo está em transformação em todo o mundo e é uma questão de tempo para que seus impactos cheguem até o Brasil e outros países da América Latina e Caribe”, analisou a sindicalista.