Sindicato do Vestuário de Sorocaba integra segunda etapa de curso sindical internacional


Atividade reuniu sindicalistas do Brasil, México e Argentina


De 11 a 13 de julho, na cidade de São Paulo, sindicalistas brasileiros, mexicanos e argentinos, dos ramos vestuário, metalúrgico, químico e Construção Civil/Mobiliário, participaram do 2.º módulo de um curso de formação sindical que integra o Projeto “Ação Frente às Multinacionais na América Latina”.

O Projeto é desenvolvido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em parceria com o Instituto Observatório Social (IOS) e conta com o apoio da central sindical alemã DGB BW. O 1.º módulo foi realizado em maio desse ano em Buenos Aires, AR, e o próximo encontro acontecerá no México com data a ser definida pelos participantes mexicanos.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores/as do Ramo Vestuário da CUT, integra o projeto com 3 sindicalistas de setores diferentes: Paula Proença (Vestuário de Sorocaba), Raimundo Jerônimo (Têxteis do Ceará) e Miro Jacintho (Calçadistas de Jaú) fazem parte da “turma” de 33 cursistas sendo 16 brasileiros, 11 argentinos e 6 mexicanos.


Objetivos

O Projeto define 4 objetivos gerais que vão desde o fortalecimento das Redes Sindicais de Trabalhadores até o combate ao trabalho precário. A integração das ações sindicais dos setores participantes e a definição de estratégias compartilhadas frente aos abusos cometidos por multinacionais nos 3 países e outras nações latino-americanas, também são finalidades do Projeto.

Paula Proença destaca que os três países envolvidos no Projeto têm em comum governos de direita e imprensa corrompidos que agem em conjunto para retirar direito dos trabalhadores. “Os objetivos do curso dialogam com a realidade dos trabalhadores brasileiros, argentinos e mexicanos. Temos muito em comum no que se refere ao tipo de política praticada e o monopólio dos veículos de comunicação de massa”.

Temas

Os cursistas do ramo vestuário da CUT avaliam que o 2.º módulo abordou temas importantes como a criação e fortalecimento das Redes de Trabalhadores (nacionais e internacionais); formas de organizações sindicais; organização das cadeias produtivas, dentre outros. “Debatemos a conjuntura política e econômica da América Latina e aprofundamos os pontos em comum”, destacou Raimundo Jerônimo.

Miro Jacintho chamou a atenção para as formas de organização do ramo vestuário nos demais países da América Latina. “No Brasil, o ramo vestuário é muito mais abrangente que na argentina. Naquele país, são poucas categorias que são aglomeradas num único tipo de organização sindical, mas há a garantia legal da organização no local de trabalho. Estamos planejando aprofundar o intercâmbio de experiências por meio de canais de comunicação unificados e produzidos pelos cursistas dos 2 países”, revela.


Congresso

O grupo participou de uma Análise de Conjuntura Internacional, com palestra do Secretário Geral da IndustriALL, Valter Sanches. A atividade fez parte do 8.º Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores Químicos da CUT, CNQ, realizado nesta semana, na capital paulista.