Sindicato do Vestuário de Sorocaba

Imagens da luta
Endereço

Rua Júlio Hanser, nº 140 – Sala 01 – Jardim Faculdade – Sorocaba/SP.  CEP:18030-320

Fone: (15) 3222•2122

         

 

Celular/Whatsapp: (15) 99119•7574

E-mail: stivestuariosor@uol.com.br

Encontre-nos

Novo desenvolvimento/atualizações: Associação Participi de Comunicação Cidadão
Profissionais responsáveis: João Andrade || Giovani Vieira Miranda

Linchamento de Lula é para quebrar classe trabalhadora

May 11, 2017

 

O Presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas, participou há pouco do Encontro pela Liberdade de Expressão, em Curitiba (PR), onde movimentos sindical e sociais prestam solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será interrogado pelo juiz Sérgio Moro.

Para o dirigente, a direita fracassou mais uma vez ao acreditar que iriam transformar a capital paranaense em um tribunal de inquisição e destruição de Lula.

“Continuam esquecendo que o Brasil tem democracia, movimento social organizado, povo que luta, enfrenta, não tem medo”, falou.

Ele disse ainda que a defesa de Lula é, na verdade, um combate pela classe trabalhadora. “As pessoas me perguntam se estamos defendendo o Lula e digo que não estamos aqui para defender a pessoa Luiz Inácio Lula da Silva, mas para defender a classe trabalhadora. A perseguição a ele é para mandar recado e tentar quebrar espinha dorsal da classe trabalhadora, pegar o exemplo principal da resistência. É para acabar com Previdência, direitos trabalhistas e liberdades democráticas”, falou.

Vagner ainda criticou a maneira como o Senado decidiu tocar a Reforma Trabalhista e apontou que a CUT fará resistência e não aceita conchavo para retirada de direitos.

“No mesmo dia em que estamos aqui, Senado faz manobra leviana de fazer passar toda a discussão da Reforma Trabalhista, votando o mesmo texto vil no Senado que saiu da Câmara. Fizemos conversa com senadores para tramitação democrática e resolveram que amanhã (11) e terça (16) têm audiência pública para depois votar o texto. Já ouvi dizer que foi combinado com uma ou outra central sindical que vão demandar uma medida provisória para o Temer preservar uma ou outra garantia de direito, mas passando o texto original. A CUT não tem acordo com isso, não se reuniu e não fez nenhum conluio ou conchavo para retirar direitos dos trabalhadores”, falou.

Please reload