“Esquenta” para greve geral expõe reais objetivos do governo Temer

September 23, 2016

 

As manifestações e paralisações ocorridas nesta quinta-feira (22), mobilizaram milhares de trabalhadores e trabalhadoras em todos os estados brasileiros e promoveram um diálogo direto e honesto sobre as ações do governo ilegítimo de Michel Temer para destruir os direitos”. A avaliação é da presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores/as do Ramo Vestuário da CUT, CNTRV, Cida Trajano. Segundo levantamento das centrais sindicais que defendem a greve geral, em todas as capitais e principais cidades do país houve algum tipo de atividade, como paralisações de processos produtivos, protestos, panfletagens, dentre outros. A maior concentração aconteceu na Av. Paulista, na cidade de São Paulo, onde 30 mil pessoas se reuniram para protestar.

 

Para Trajano, as paralisações e protestos apontam que os trabalhadores começam a tomar consciência das reais intenções do governo Temer.  “A cada dia ficam mais claras as reais intenções do governo de Michel Temer, que é aproveitar seu curto período de duração para retirar direitos trabalhistas, precarizar os serviços públicos para dar abertura ao capital privado e vender o patrimônio do povo brasileiro.  Isso tudo está sendo feito de uma forma escancarada, sem temer a reação do povo, já que se trata de um presidente empossado de forma ilegítima  e  um político inelegível”, avalia.  

 

 

 

Greve Geral

 O chamado “esquenta para greve geral”, fortaleceu a proposta de uma reação mais radical para barrar projetos como a reforma trabalhista que aumenta carga horária e retira direitos básicos como folgas e férias remuneradas, décimo terceiro salário, dentre outros.

A reforma da previdência anunciada pela equipe econômica de Temer elevará em pelo menos 40% o tempo de contribuição para a aposentadoria integral e aumentará a idade mínima para qualquer tipo de aposentadoria.

 

 

Existem ainda outros projetos nocivos aos direitos básicos da população brasileira como o que congela, em 20 anos, os investimentos nos serviços públicos de saúde, educação e outros.  Além disso, cerca de 50 projetos em trâmite no Congresso ou Senado representam algum tipo de retrocesso, como o PL 30/15 que permite a demissão de todos os trabalhadores para que os mesmos sejam contratados de forma terceirizada com menores salários e sem benefícios. “Somente uma greve geral será capaz de barrar tamanho retrocesso. O governo Temer pretende mudar, para muito pior, a vida dos trabalhadores e trabalhadoras, principalmente os que mais precisam dos serviços públicos e das garantias de emprego e salário. Os fatos comprovam que este governo foi imposto para cumprir a missão de   implementar a agenda da FIESP e do capital estrangeiro e colocar fim nas investigações da Operação Lava Jato. Vamos construir a maior greve geral da história desse país para impedir que Brasil volte para o período pré Getúlio, quando não havia CLT, ou qualquer tipo de direitos trabalhistas, previdenciários ou sociais ”, conclui Trajano.

 

 

Please reload

Sindicato do Vestuário de Sorocaba

Imagens da luta
Endereço

Rua Júlio Hanser, nº 140 – Sala 01 – Jardim Faculdade – Sorocaba/SP.  CEP:18030-320

Fone: (15) 3222•2122

         

 

Celular/Whatsapp: (15) 99119•7574

E-mail: stivestuariosor@uol.com.br

Encontre-nos

Novo desenvolvimento/atualizações: Associação Participi de Comunicação Cidadão
Profissionais responsáveis: João Andrade || Giovani Vieira Miranda