Grito dos Excluídos leva milhares à Paulista e reafirma luta contra o golpe

September 8, 2016

 

Como podemos comemorar a independência da pátria se sofremos um golpe?", questiona Maria dos Remédios, que saiu cedo de casa, em São Mateus, zona leste da capital paulista, para reivindicar a saída de Michel Temer da presidência da República, novas eleições e a manutenção de todos os direitos civis e trabalhistas. Com ela, cerca de 15 mil pessoas protestaram na Avenida Paulista, na manhã de hoje (7), durante o 22° Grito dos Excluídos. A estimativa é dos organizadores.

Enrolada em uma bandeira do Brasil preta, representando o luto, com uma faixa vermelha, representando a luta, feita por ela mesma, Maria garante não ter medo da repressão. "Trouxe uma flor para dar aos policiais, caso eles venham pra cima da população", afirmou. Ela se disse desacreditada da política partidária: "hoje é preciso fazê-la nas ruas".

A musicista Marina Salomão também garantiu que não sairá das ruas até que o golpe seja derrotado. "Não quero a volta dos anos 70", disse ela, que tem na família um parente desaparecido durante o período da ditadura civil-militar. "Estamos sofrendo cassação de direitos que há tempos não se via. Isso é muito grave. Não podemos sair das ruas", afirmou.

Muitos jovens também compareceram ao protesto. Saídos do bairro dos Pimentas, em Guarulhos, um grupo formado nas aulas de um curso pré vestibular popular teme que o novo governo liquide os avanços em educação conquistados nos últimos anos. "Sofremos muito com a desigualdade. Isso é muito forte na educação. Todo o acesso à universidade que ocorreu nos últimos anos pode ser liquidado pelo golpe", explicou a estudante Daiana Domingues.

  • Na Sé, excluídos gritam por justiça social e 'Fora, Temer'

A marcha saiu da praça Oswaldo Cruz, onde se inicia a Avenida Paulista, por volta de 10h30. Sem portar os equipamentos repressivos dos últimos protestos, poucos policiais acompanharam os manifestantes, que caminharam pela Paulista, tomaram a Avenida Brigadeiro Luis Antônio e rumaram ao Parque do Ibirapuera. Na descida, juntaram-se à marcha o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o ex-senador Eduardo Suplicy.

"Aqui é o Grito dos Excluídos que tem muitas bandeiras e é um evento que acontece todos os anos no 7 de setembro em São Paulo. É quando os movimentos sociais se reúnem e apresentam para a sociedade sua agenda de reivindicações. Acho justo e democrático", disse Haddad.

O prefeito, candidato à reeleição, rebateu críticas por ter autorizado a marcha e a intolerância vista na repressão policial contra as recentes manifestações populares na cidade, contra o golpe e Michel Temer. "A não ser por aqueles que querem reprimir manifestações pacíficas, não entendo por que não liberar a cidade para manifestações que têm como único intuito melhorar o Brasil", disse, ao O Globo.

No trajeto, próximo ao Parque do Ibirapuera, a manifestação passou em frente à sede do PMDB, que estava resguardada por forças policiais. Os manifestantes afirmaram que o partido é "golpista" e "traidor da nação brasileira". O ato seguiu pacifico até o obelisco do Parque, que também contava com forte presença policial.

  • Em Brasília, protesto contra o governo Temer pede novas eleições

O coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP) Raimundo Bonfim, ressaltou que o ato pretende exigir eleições diretas, a saída de Temer da presidência da República e a manutenção dos direitos civis e trabalhistas, rechaçando, principalmente, as reformas da Previdência e da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

"Temer assumiu falando em pacificação. Mas o que tem ocorrido é uma grande resistência nas ruas. Tem protesto todos os dias e nem a aposta na violência policial tem intimidado a população. Isso porque os excluídos sabem que não terão vez nesse governo. Os golpistas só querem ampliar o número de excluídos do país", afirmou Raimundo.

  • 'Fora Temer' e reivindicações locais marcam o Grito dos Excluídos pelo Brasil

O presidente da CUT, Vagner Freitas, destacou a capacidade de resistir e lutar, além da esperança do povo trabalhador, forças desconhecidas pelos golpistas. "Eles não nos conhecem. Acharam que podiam dar um golpe e ficar por isso mesmo. Eles têm poder: polícia, imprensa, empresários e um Congresso corrupto. Mas não têm o povo trabalhador do lado deles", afirmou.

Freitas disse ainda que está sendo articulada uma mobilização na próxima Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em outubro, nos Estados Unidos para denunciar os ataques à democracia patrocinados pelos setores conservadores do país. "Eles não querem ser chamados de golpistas. Quer ser presidente? Vença eleições. Nós vamos dizer ao mundo inteiro que é golpe", concluiu.

Please reload

Sindicato do Vestuário de Sorocaba

Imagens da luta
Endereço

Rua Júlio Hanser, nº 140 – Sala 01 – Jardim Faculdade – Sorocaba/SP.  CEP:18030-320

Fone: (15) 3222•2122

         

 

Celular/Whatsapp: (15) 99119•7574

E-mail: stivestuariosor@uol.com.br

Encontre-nos

Novo desenvolvimento/atualizações: Associação Participi de Comunicação Cidadão
Profissionais responsáveis: João Andrade || Giovani Vieira Miranda