Sindicato do Vestuário de Sorocaba

Imagens da luta
Endereço

Rua Júlio Hanser, nº 140 – Sala 01 – Jardim Faculdade – Sorocaba/SP.  CEP:18030-320

Fone: (15) 3222•2122

         

 

Celular/Whatsapp: (15) 99119•7574

E-mail: stivestuariosor@uol.com.br

Encontre-nos

Novo desenvolvimento/atualizações: Associação Participi de Comunicação Cidadão
Profissionais responsáveis: João Andrade || Giovani Vieira Miranda

Direitos: Centrais unificam luta contra precarização nesta terça

July 26, 2016

 

O combate à reforma trabalhista anunciada pelo interino Michel Temer, que defende o negociado sobre o legislado e a terceirização, é um dos pontos que une as seis principais centrais brasileiras de trabalhadores. Nesta terça-feira (26), às 11h, as entidades aprovam em São Paulo, em plenária nacional, o documento Assembleia Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras por Emprego e Garantia de Direitos e uma agenda de atos nacionais com sinalização para se iniciar em 16 de agosto. As informações foram repassadas pelo coordenador de Relações Sindicais do Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), José Silvestre. O órgão apoia as centrais na organização da atividade desta terça. 

 

O evento é realizado pela Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Nova Central Sindical de Trabalhadores, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Força Sindical. Nesta terça, os presidentes das entidades concederão uma entrevista coletiva, a partir das 9h30, no espaço Hakka, rua São Joaquim, 460, no centro de São Paulo. Após a coletiva, as 11h, acontecerá o ato político de leitura do documento das centrais.

 

Contra o desemprego e em defesa dos direitos
De acordo com Silvestre, o documento que será lido na plenária nacional aborda três temas principais: Desemprego, reforma da previdência e flexibilização das relações de trabalho. “É focado na luta contra o desemprego e reivindica medidas do governo para gerar emprego, fazer com que a economia volte a crescer. Aborda garantia dos direitos, sistema previdenciário e negociado sobre o legislado” informou Silvestre.

 

 CLT deve regular as relações de trabalho

 O novo projeto de Temer para reconstruir o Brasil depende das reformas da Previdência e trabalhista nos moldes dos patrões. É um Ponte para o Futuro aprofundado com ações e medidas preparadas para o pós-impeachment. A repercussão tem sido negativa entre os trabalhadores. Declarações do ministro do Trabalho, na quarta-feira (21), de que a reforma do governo vai privilegiar as negociações coletivas, provocou nota assinada pela seis centrais dizendo que “A CLT deve ser mantida como o padrão mínimo da regulação das relações de trabalho”.

 

 “A ampliação das negociações, assim como a prevalência do “negociado sobre o legislado” não deve substituir a CLT e nem possibilitar a redução de direitos e a diminuição da qualidade de vida dos trabalhadores”, esclareceu o texto da nota.

Please reload